sábado, março 28, 2015

Azuis perdem com Cabo Verde

 - " Jogo-treino disputou-se na manhã deste sábado
O Belenenses perdeu este sábado o jogo-treino com a seleção de Cabo Verde, por 2-0, com golos de Nuno Rocha, aos 37 minutos de grande penalidade, e de Kevin, aos 71'.

Jorge Simão, treinador recém-chegado ao Belenenses, sucedendo a Lito Vidigal, aproveitou a ocasião para fazer algumas experiências, mantendo assim os jogadores em atividade, numa altura em que o campeonato está parado devido aos compromissos das seleções.

Miguel Rosa, Nélson e Gonçalo Brandão, em gestão de esforço, não fizeram parte das opções de Jorge Simão.

No final do encontro, Rui Águas, selecionador de Cabo Verde, mostrou-se agradado com a exibição e a vitória da sua equipa.

Na próxima terça-feira, 31 de março, Cabo Verde joga um particular com Portugal, às 20h45, no Estádio António Coimbra da Mota.

Belenenses perde com Cabo Verde (0-2)

Jorge Simão, treinador do Belenenses

- " O Belenenses perdeu este sábado num jogo-treino frente a Cabo Verde, por 0-2, disputado no Estádio do Restelo.

Nuno Rocha, aos 38 de grande penalidade, e Kevin Oliveira, aos 71, marcaram os golos da seleção cabo-verdiana.

A formação azul alinhou com o seguinte onze: Matt Jones; Palmeira, João Meira, João Afonso; Filipe Ferreira; Ricardo Dias, Carlos Martins, Pelé; Sturgeon, Abel Camará e Rui Fonte.

Quem não participou no encontro foram Miguel Rosa, Gonçalo Brandão e Nélson, poupados pelo treinador Jorge Simão.

O próximo treino do Belenenses está agendado para segunda-feira às 16 horas.

Experiências com Cabo Verde

 - " Há jogo treino esta manhã no Restelo
Apenas sem Ventura (Seleção A) e Dálcio (sub-19), o técnico Jorge Simão vai aproveitar o jogo particular de hoje frente à seleção de Cabo Verde – às 10h30, no Restelo – para fazer algumas experiências. O objetivo é preparar já a estratégia tendo em vista a receção ao Moreirense, em jogo da 27.ª jornada da 1.ª Liga.

O plantel realizou ontem mais uma sessão de trabalho, que decorreu à porta fechada, estando prevista folga para amanhã.

sexta-feira, março 27, 2015

Jogo frente a Cabo Verde

Jorge Simão

- " Aproveitando o interregno no campeonato, o Belenenses tem agendado para amanhã, às 10.30 horas, um jogo de preparação com a seleção de Cabo Verde, orientada por Rui Águas, noticia A BOLA.

O encontro servirá para Jorge Simão fazer algumas experiências, nomeadamente aperfeiçoar a finalização dos azuis, tendo em vista a receção ao Moreirense, no próximo fim de semana.

quinta-feira, março 26, 2015

Clube acusa PSP de desrespeitar a lei

- " Após proibição de adereços noestádio do Bessa
Após a explicação dada pelo Comando Metropolitano do Porto, que impediu a entrada de adeptos belenenses no Estádio doBessa no passado fim de semana, alegando que a claque não se encontrava legalmente registada, o clube do Restelo reagiu para Record acerca deste caso e condenou a atitude dos agentes de autoridade. "Os símbolos e a história do Belém têm de ser dignificados. O clube tem de ser respeitado. A resposta da PSP não refere o essencial. Só podemos repetir o que está no nosso comunicado. O comando geral da PSP do Porto desrespeitou a lei, porque se tratava de simples adeptos com adereços", veiculou a direção do emblema do Restelo durante a tarde de ontem.

Também Rodrigo Saraiva, provedor dos sócios do Belenenses, falou sobre esta questão: "A claque Fúria Azul está registada como associação juvenil e é reconhecida como núcleo oficial do Belém. Os problemas existem desde 2004, sensivelmente, quando saiu legislação para as claques e, embora as atuações variem consoante o sítio, há a proibição de utilizarmos elementos com o nome da Fúria.Mas nunca cachecóis do Belenenses, e foi isso que aconteceu. Proibiram uma criança de entrar com uma bandeira doBelém. Isto é completamente inconstitucional. Para não dizer que a explicação da PSP não nos satisfaz, como é óbvio."

Fúria

Em comunicado, a claque do Belenenses solicitou que a PSP passasse a aceitar a entrada de símbolos do núcleo nos estádios. Alem disso, deve avançar uma queixa à Procuradoria Geral da República e Ministério da Administração Interna por parte da direção do clube, presidida por Patrick Morais de Carvalho.

Ventura sonha com a estreia na Seleção

A lesão de Beto (Sevilha) proporcionou ao guarda-redes do Belenenses a oportunidade de voltar à Seleção Nacional. A chamada tem sabor a prémio para a boa época no Restelo.
O guarda-redes Ventura assumiu, esta quarta-feira, a alegria de voltar à Seleção Nacional, que defronta a Sérvia na fase de apuramento para o Euro2016, revelando que sempre acreditou que o conseguiria.

"Foi uma sensação boa voltar à seleção. Passaram vários anos desde a última vez. Obviamente que gostava de ter voltado mais cedo, mas a minha carreira não conheceu tempos fáceis. Agora sinto que estou a dar a volta por cima e a regressar aos patamares que acho que são os certos para voltar a ser opção na seleção", declarou ao site da Federação Portuguesa de Futebol.

O guarda-redes do Belenenses entende que esta chamada de Fernando Santos "é fruto de muito trabalho, muita dedicação", pelo que espera "aproveitar a boa fase".

"Nunca deixei de acreditar. Trabalhei sempre no máximo, todos os dias focado no trabalho a mais de 100 por cento. Fiz todas as ações sempre no máximo para voltar primeiro a ter a confiança no clube onde estivesse. Era esse o principal objetivo", vincou.

Hugo Ventura assumiu a "surpresa" de ter integrado a pré-convocatória e confessou que a "esperança cresceu" até à consumada chamada, aproveitando a lesão de Beto, do Sevilha.

Agora, o objetivo é estrear-se pela seleção - "Claro que me dava enorme prazer", antecipou -, garantindo, a seu favor, que é um guarda-redes "calmo, forte tecnicamente e a ler o jogo".

"Penso que sou equilibrado entre as várias áreas do que é ser um guarda-redes. Estou focado em trabalhar bem e mostrar à equipa técnica o valor que tenho. Se acharem que mereço me estrear, claro que vou ficar muito satisfeito", reforçou.

Portugal ocupa o segundo lugar do Grupo I da fase de qualificação para o Euro2016, com seis pontos, menos um do que a Dinamarca (mais um jogo), e mais dois do que a Albânia, cinco do que a Sérvia e do que a Arménia.

Em caso de triunfo sobre a Sérvia, Portugal assume a liderança do grupo I e fica mais perto do acesso direto à fase final do Euro2016, que vai decorrer em França.

O jogo está agendado para as 19:45, no Estádio da Luz

quarta-feira, março 25, 2015

Hugo Ventura feliz por voltar a ser convocado

Hugo Ventura
Hugo Ventura, guarda-redes do Belenenses, manifestou o seu contentamento por regressar aos convocados da seleção portuguesa, que defronta a Sérvia e Cabo Verde nos próximos dias 29 e 31 de março, respetivamente, e revelou que sempre acreditou que o conseguiria.

«Foi uma sensação boa voltar à seleção. Passaram vários anos desde a última vez. Obviamente que gostava de ter voltado mais cedo, mas a minha carreira não conheceu tempos fáceis. Agora sinto que estou a dar a volta por cima e a regressar aos patamares que acho que são os certos para voltar a ser opção na seleção», afirmou o jogador de 27 anos em declarações ao site da Federação Portuguesa de Futebol.

O ‘guardião’ do emblema de Belém realçou que esta chamada foi fruto de muito trabalho, sublinhando que agora o grande objetivo é mesmo a estreia com a camisola das ‘quinas’.

«Nunca deixei de acreditar. Trabalhei sempre no máximo, todos os dias focado no trabalho a mais de 100 por cento. Agora é esperar pela estreia, o que me dava um enorme prazer», referiu.

Jorge Simão aposta em Rui Ferreira

Jorge Simão

- " O treinador do Belenenses, Jorge Simão, decidiu apostar na chamada do júnior Rui Ferreira para colmatar a ausência de Ventura, na Seleção Nacional, no treino desta quarta-feira.

Filipe Mendes prosseguiu a recuperar da cirurgia ao joelho direito e realizou treino específico.

O Belenenses regressa ao trabalho, na quinta-feira, às 10.30 horas, no Restelo.

PSP fala de "grupo sem registo legal"

 - " Responde a comunicado dos azuis sobre os adeptos
O Comando Metropolitano do Porto respondeu ontem a um comunicado emitido na véspera pelo Belenenses e no qual eram pedidos esclarecimentos pelo facto de "mais de uma centena de adeptos, incluindo crianças" terem sido "impedidos de entrar no sector que lhes estava destinado no Estádio do Bessa com adereços que tivessem o símbolo do Belenenses".

Confrontado com o o teor das queixas dos azuis, o Comando do Porto foi curto na resposta, alegando que o grupo de adeptos não tem registo legal. "Informamos que o grupo de adeptos do Clube de Futebol Os Belenenses não se encontra registado nos termos da legislação aplicável. Como tal, os procedimentos policiais adotados foram os adequados às circunstâncias como vem sendo prática em situações semelhantes", refere a PSP do Porto. Patrick Morais de Carvalho, líder dos azuis, não quis fazer comentários.

Formação em avaliação

Noutro âmbito, o líder dos azuis, confrontado com uma possível reestruturação abrangente no quadro técnico do futebol de formação, desdramatizou a questão. "Comunicámos que todos estariam em avaliação até final da época. Temos as nossas ideias e é normal que a direção esteja atenta. Pode haver mexidas, mas se calhar 70 por cento das equipas técnicas vão continuar", observou a concluir o presidente do Belenenses.

terça-feira, março 24, 2015

Rui Fonte: «Veremos se vou concretizar os meus dois sonhos»

- " Quer estrear-se na seleção e jogar com o irmão
Rui Fonte foi esta terça-feira chamado por Fernando Santos para o encontro particular diante de Cabo Verde e poderá estrear-se de quinas ao peito na terça-feira. Mas não é o único objetivo do avançado do Belenenses: Rui Fonte quer coincidir em campo com o irmão José Fonte.

"O maior sonho que tinha era poder estrear-me na Seleção. O segunda era jogar com o meu irmão na Seleção. Vamos ver se vão poder acontecer os dois. Primeiro, terei de conseguir jogar alguns minutos e depois, se o meu irmão, estiver em campo, gostaria de jogar com ele. Seria um sonho", desejou o futebolista emprestado pelo Benfica aos azuis em declarações publicadas nas redes sociais do Belenenses.

"O maior sonho de qualquer jovem jogador será jogar pela Seleção. É o concretizar de um sonho também para a minha família. Tenho de agradecer ao Belenenses por me ter dado a possibilidade de jogar na Primeira Liga", acrescentou, revelando que as mensagens de parabéns se sucederam ao longo do dia.

RUI FONTE, Marafona e Lucas João convocados

- " INTEGRAM LISTA DE 11 JOGADORES PARA CABO VERDE
A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) divulgou esta terça-feira uma lista de onze jogadores convocados por Fernando Santos para o encontro com Cabo Verde, jogo de preparação marcado para terça-feira. Este onze escolhidos devem apresentar-se em Lisboa no domingo, para assistir ao encontro com a Sérvia, seguindo depois para estágio.

De referir que os onze titulares do jogo com a formação dos Balcãs - assim como os restantes utilizados - serão dispensados após esse encontro, dando o seu lugar aos jogadores agora chamados pelo selecionador nacional.

Lista de convocados:

Guarda-redes: Marafona (Moreirense)

Defesas: André Pinto (Sp. Braga) e Tiago Pinto (Rio Ave)

Médios: Adrien (Sporting), André Almeida (Benfica), André André (V. Guimarães), Danilo (Marítimo), Ukra (Rio Ave) e Pizzi (Benfica)

Avançados: Lucas João (Nacional), Rui Fonte (Belenenses)

O dedo de Jorge Simão



- " Mexeu em quatro lugares logo na estreia
O encontro frente ao Boavista marcou um virar de página na vida do plantel do Belenenses. A saída de Lito Vidigal e o novo comando técnico de Jorge Simão implicam, desde logo, métodos e hábitos diferentes, mas as ideias em relação aos jogadores que melhores garantias fornecem também são distintas. Apesar de não ter sido operada nenhuma revolução, o certo é que o onze que subiu ao sintético do Bessa já mostrou à evidência o dedo de Jorge Simão.

Quatro sessões de trabalho realizadas no Restelo bastaram para a nova equipa técnica operar modificações em todos os sectores da equipa em relação ao que tinha acontecido frente ao Estoril. Isto sem, contudo, alterar o esquema habitual – 4x2x3x1.

Mudanças

Na defesa Jorge Simão dispensou adaptações. O grande beneficiado foi Filipe Ferreira, que até já tinha defrontado o Estoril na sua posição. Parece ter recuperado a titularidade no lado esquerdo do sector mais recuado por via da insistência na aposta em Nélson na direita – lugar que o próprio jogador vinha a reclamar há muito, apesar de Lito o utilizar principalmente na esquerda – e da derivação de Palmeira para o eixo, já que é central de origem.

No meio-campo, Jorge Simão também decidiu mexer. Com todas as opções disponíveis, o novo técnico voltou a chamar Carlos Martins, que não tinha sido convocado frente ao Estoril por decisão de Lito Vidigal, em detrimento de Pelé. Ricardo Dias manteve-se e Tiago Silva foi sacrificado em benefício de Sturgeon, que regressou ao onze.

Mais à frente, Fábio Nunes rendeu Dálcio como extremo-direito. O jogador que o Belenenses contratou ao Latina (Itália) mereceu a terceira titularidade na Liga. Intocáveis ficaram Miguel Rosa e Rui Fonte.

Em todas as modificações efetuadas por Jorge Simão, admite-se que as idas de Pelé e Dálcio para o banco tenham a ver com a provável saída no final da época e com o facto de Simão estar já a pensar no futuro.

Drama e nostalgia em Belém

- " Parece que só a desgraça une os belenenses. Sempre que o mau tempo se afasta e começa a cheirar a primavera, instala-se a divergência, a desunião e a inimizade. Onde houver dois adeptos da cruz ao peito, ouve-se a um dizer branco e logo o outro a garantir que é preto.
Na última semana, a agitação foi grande e nas redes sociais instalou-se o drama: dos nostálgicos de Matateu, aos fatalistas que já em nada nem em ninguém acreditam, passando, inevitavelmente, pelos especialistas do absurdo e do insulto.
As posições extremaram-se: ou contra Rui Pedro Soares ou escolhendo para alvo Lito Vidigal. Ao primeiro não perdoam a falta de batismo “azul” – só tem o de “azul e branco”, mas nem a aproximação lhe vale. O segundo é acusado de não querer apostar na formação, apesar de ter apresentado em campo, contra o Estoril, 14 jogadores portugueses, coisa há muito não vista na liga principal.
Quando atacam o líder da SAD, os auto-intitulados “verdadeiros belenenses” fingem esquecer-se de que não fora ele e estaríamos hoje a disputar o vibrante e próspero Nacional de Seniores, já que os dirigentes “puros”, saídos da pia batismal do eixo Salésias-Restelo, acumularam erros de gestão e ficaram até sem trocos para pagar a água que regava a relva.
Quando se atiram a Lito Vidigal, a memória é ainda mais curta. Há um ano, foram suplicar-lhe que deixasse a família e a pacatez de Elvas para vir salvar o Belenenses de mais uma descida. Depois, não lhe pagaram e agora estão indignados porque não fez melhor do que o 6.º lugar (!) e retirou da equipa esse poço de esforço e amor à camisola que é o sr. Martins. Esperem-lhe pela pancada. Se for dupla, então, será o regresso aos infernos.

segunda-feira, março 23, 2015

Direção do clube critica atuação das autoridades no Estádio do Bessa


- " Em comunicado, a Direção do Belenenses insurgiu-se contra a atuação das forças de segurança no Estádio do Bessa, denunciando práticas «ao arrepio das Leis da República» para com adeptos do clube.

Comunicado na íntegra:

Após tomar conhecimento de factos ontem passados no Estádio do Bessa e que classifica como graves, vem a Direcção do Clube de Futebol “Os Belenenses” tomar a seguinte posição pública, considerando que:

1. Mais de uma centena de adeptos do Belenenses, incluindo crianças, foram ontem impedidos de entrar no sector que lhes estava destinado no Estádio do Bessa com adereços que tivessem o símbolo do Belenenses, fossem simples panos ou bandeiras sem o respectivo suporte;

2. Tal medida, aparentemente imposta pelo Comando Policial da Cidade do Porto, não tem qualquer base legal que a sustente e foi tomada sem que fosse dada qualquer explicação;

3. A Fúria Azul, mais do que uma claque no sentido vulgarmente utilizado, é um Núcleo Oficial do Clube de Futebol “Os Belenenses” reconhecido como tal em Assembleia Geral do Clube, e também uma associação juvenil conforme publicação em Diário da República;

4. Factos deste tipo, ao arrepio de tudo o que as Leis da República determinam, acontecem com cada vez maior frequência em vários pontos do país – e até em Lisboa e no nosso próprio Estádio. Se este tipo de problemas relativamente a material da Fúria Azul é já habitual, a verdade é que no que respeita a adereços exclusivamente afectos ao Clube de Futebol “Os Belenenses” é caso praticamente isolado, que só tem paralelo noutras deslocações – curiosamente – à cidade do Porto.
Neste quadro, a Direcção do Clube de Futebol “Os Belenenses” solicitará esclarecimentos urgentes sobre os factos ao Comando Distrital da PSP do Porto e ao Ministério da Administração Interna, ao mesmo tempo que apela às forças de segurança que, de uma vez por todas, definam o seu método de actuação de forma coerente e em respeito pela Lei, independentemente dos locais e das entidades em causa.

Em paralelo, não pode a Direcção do Clube de Futebol “Os Belenenses” deixar de agradecer, uma vez mais, aos muitos adeptos que acompanharam a equipa à cidade do Porto sujeitando-se a uma arbitrariedade que se nos afigura intolerável à luz do Estado de Direito.

Restelo, 23 de Março de 2015
A Direcção do Clube de Futebol “Os Belenenses”

Belenenses critica ação da PSP no Bessa

Belenenses critica ação da PSP no Bessa

 - " Adeptos impedidos de entrar com adereços do clube. Clube vai pedir esclarecimentos ao MAI

O Belenenses vai pedir «esclareceimentos urgentos» ao Comando Distrital da PSP do Porto sobre e ao Ministério da Administração Interna (MAI) a ação da força policial no Estádio do Bessa, este domingo, relatando alguns factos que considera inadequados, nomeadamente por ter impedido os adeptos do clube de entrar com «adereços que tivessem o símbolo» do clube.
 
Através de um comunicado, o clube do Restelo explicou a sua posição, relatando aquilo que considera uma «arbitrariedade intolerável à luz do Estado de Direito».
 
Leia o Comunicado na íntegra:
 
«1. Mais de uma centena de adeptos do Belenenses, incluindo crianças, foram impedidos de entrar no setor que lhes estava destinado no Estádio do Bessa com adereços que tivessem o símbolo do Belenenses, fossem simples panos ou bandeiras sem o respetivo suporte;

2. Tal medida, aparentemente imposta pelo Comando Policial da Cidade do Porto, não tem qualquer base legal que a sustente e foi tomada sem que fosse dada qualquer explicação;

3. A Fúria Azul, mais do que uma claque no sentido vulgarmente utilizado, é um Núcleo Oficial do Clube de Futebol "Os Belenenses" reconhecido como tal em Assembleia Geral do Clube, e também uma associação juvenil conforme publicação em Diário da República;

4. Factos deste tipo, ao arrepio de tudo o que as Leis da República determinam, acontecem com cada vez maior frequência em vários pontos do país - e até em Lisboa e no nosso próprio Estádio. Se este tipo de problemas relativamente a material da Fúria Azul é já habitual, a verdade é que no que respeita a adereços exclusivamente afetos ao Clube de Futebol "Os Belenenses" é caso praticamente isolado, que só tem paralelo noutras deslocações -curiosamente - à cidade do Porto.

Neste quadro, a Direção do Clube de Futebol "Os Belenenses" solicitará esclarecimentos urgentes sobre os factos ao Comando Distrital da PSP do Porto e ao Ministério da Administração Interna, ao mesmo tempo que apela às forças de segurança que, de uma vez por todas, definam o seu método de atuação de forma coerente e em respeito pela Lei, independentemente dos locais e das entidades em causa.

Em paralelo, não pode a Direção do Clube de Futebol "Os Belenenses" deixar de agradecer,uma vez mais, aos muitos adeptos que acompanharam a equipa à cidade do Porto sujeitando-se a uma arbitrariedade que se nos afigura intolerável à luz do Estado de Direito.»

Azuis queixam-se dos critérios da PSP no Bessa

 - " Adeptos proibidos de envergar adereços do clube
O Belenenses emitiu esta segunda-feira um comunicado sobre o que diz ser um acontecimento grave ocorrido no Estádio do Bessa, onde os adeptos do clube terão sido impedidos de entrar com adereços pelas forças policiais.

O clube lisboeta refere que a situação não é nova, ocorrendo por outras ocasiões, "curiosamente" em deslocações a terrenos de clubes da cidade do Porto.

"Após tomar conhecimento de factos ontem passados no Estádio do Bessa e que classifica como graves, vem a Direcção do Clube de Futebol “Os Belenenses” tomar a seguinte posição pública, considerando que:

1. Mais de uma centena de adeptos do Belenenses, incluindo crianças, foram ontem impedidos de entrar no sector que lhes estava destinado no Estádio do Bessa com adereços que tivessem o símbolo do Belenenses, fossem simples panos ou bandeiras sem o respectivo suporte;

2. Tal medida, aparentemente imposta pelo Comando Policial da Cidade do Porto, não tem qualquer base legal que a sustente e foi tomada sem que fosse dada qualquer explicação;

3. A Fúria Azul, mais do que uma claque no sentido vulgarmente utilizado, é um Núcleo Oficial do Clube de Futebol “Os Belenenses” reconhecido como tal em Assembleia Geral do Clube, e também uma associação juvenil conforme publicação em Diário da República;

4. Factos deste tipo, ao arrepio de tudo o que as Leis da República determinam, acontecem com cada vez maior frequência em vários pontos do país - e até em Lisboa e no nosso próprio Estádio. Se este tipo de problemas relativamente a material da Fúria Azul é já habitual, a verdade é que no que respeita a adereços exclusivamente afectos ao Clube de Futebol "Os Belenenses" é caso praticamente isolado, que só tem paralelo noutras deslocações - curiosamente - à cidade do Porto.

Neste quadro, a Direcção do Clube de Futebol “Os Belenenses” solicitará esclarecimentos urgentes sobre os factos ao Comando Distrital da PSP do Porto e ao Ministério da Administração Interna, ao mesmo tempo que apela às forças de segurança que, de uma vez por todas, definam o seu método de actuação de forma coerente e em respeito pela Lei, independentemente dos locais e das entidades em causa.

Em paralelo, não pode a Direcção do Clube de Futebol “Os Belenenses” deixar de agradecer, uma vez mais, aos muitos adeptos que acompanharam a equipa à cidade do Porto sujeitando-se a uma arbitrariedade que se nos afigura intolerável à luz do Estado de Direito".

domingo, março 22, 2015

Jorge Simão: «A minha ideia não era chegar aqui e por dotes mágicos alterar tudo»

- " Comentou alteração de técnicos em Belém
Jorge Simão estreou-se com uma derrota no Bessa (1-0) diante do Boavista, em encontro da 26.ª jornada da Primeira Liga. O técnico belenense salienta o "jogo positivo" rubricado pelos seus atletas.

"A diferença neste jogo foi a eficácia. Globalmente, fizemos um jogo positivo. Entramos bem em cada uma das partes, entramos bem, a circular a bola e as construir algumas situações de finalização. Na primeira parte, foi um jogo completamente controlado e, mesmo com algum domínio territorial, as melhores ocasiões de golo foram nossas. Eventualmente, ao intervalo justificar-se-ia uma vantagem para o nosso lado. Na segunda parte, voltámos a entrar fortes e sofremos um golo contra a corrente do jogo. O Boavista é uma equipa que tira benefício de dois grandes fatores: a primeira é jogar em casa num piso [sintético] que, quer se queira quer não, é diferente. Quem está mais habituado a trabalhar num piso destes tem maior facilidade na adaptação ao terreno, porque a bola bate de forma diferente. O outro fator é o Boavista ser uma equipa que tem jogadores muito altos e muito combativos e tira proveito disso, juntamente com a possibilidade de lançar contra-ataques", descreveu após o final do encontro.

Jorge Simão lamentou depois um erro da equipa que se converteu no único golo da partida.

"Normalmente os golos acontecem dessa forma e o golo que o Boavista faz aconteceu precisamente assim. Perdemos a bola e não reagimos como devíamos. É a eficácia. Depois disso tivemos ainda maior domínio territorial e uma ou outra situação claríssima de golo, mas não conseguimos. Seria perfeitamente ajustado, neste caso, o empate, no mínimo". O novo técnico azul, que substituiu Lito Vidigal no cargo, terminou o discurso comentando os acontecimentos durante a semana que ditaram na troca de treinador.

"Usualmente, quando há uma troca de treinadores deve-se ao facto de os resultados desportivos não serem aqueles que a equipa ambiciona. Neste caso não foi assim. Fizemos apenas cinco treinos esta semana, obviamente a minha ideia não era chegar aqui e, por 'dotes mágicos' alterar tudo o que estava ser feito e bem. Foi tentar agarrar naquilo que estava ser o percurso da equipa e tentar dar sequência. Como é que foi a semana? Foi boa".

«Diferença esteve na eficácia» - Jorge Simão

Jorge Simão
- " Jorge Simão estreou-se com uma derrota no comando técnico do Belenenses. O novo treinador dos azuis reconhece que o fator decisivo da partida foi o Boavista ter sido mais eficaz.

«A diferença neste jogo foi a eficácia. No geral, fizemos um jogo positivo. Entramos bem, a circular a bola e a construir algumas situações de finalização. Na segunda parte, voltámos a entrar fortes e sofremos um golo contra a corrente do jogo», disse Jorge Simão no final do encontro.

«O Boavista é uma equipa que tira benefício de dois grandes fatores: a primeira é jogar em casa num piso [sintético] que, quer se queira quer não, é diferente. O outro fator é o Boavista ser uma equipa que tem jogadores muito altos e por isso tira proveito disso, juntamente com a possibilidade de lançar contra-ataques», sustentou.

Mudança de treinador no Belenenses

Normalmente, quando há uma troca de treinadores deve-se aos resultados desportivos não serem aqueles que a equipa ambiciona. Neste caso não foi assim. Fizemos apenas cinco treinos esta semana, obviamente a minha ideia não era chegar aqui e, por dotes mágicos alterar tudo o que estava ser bem feito. Foi tentar agarrar naquilo que estava a ser o percurso da equipa e tentar dar sequência. Como é que foi a semana? Foi boa», garantiu Jorge Simão que sucedeu a Lito Vidigal no comando técnico dos azuis.

Jorge Simão: «Tentei agarrar no que estava a ser feito»

Jorge Simão: «Tentei agarrar no que estava a ser feito»

- " Técnico estreou-se no banco tentando aproveitar trabalho de Lito Vidigal
Jorge Simão, treinador do Belenenses, em declarações na sala de imprensa do Bessa, após a derrota com o Boavista na sua estreia no comando da equipa de Lisboa:
 
«A diferença deste jogo foi na eficácia. Fizemos um jogo positivo. Na primeira parte foi um jogo controlado e mesmo com domínio territorial. As maiores ocasiões foram nossas. Na segunda parte sofremos um golo contra a corrente do jogo. O Boavista tira partido de dois grandes fatores. Primeiro jogar em casa num piso que é diferente, queira-se ou não. O outro é o Boavista ser uma equipa com jogadores muito altos e combativos. Tira proveito disso. Não reagimos da forma como deveríamos ter feito numa perda de bola e sofremos o golo. É eficácia. Tivemos ainda maior domínio depois. Tivemos mais situações para finalizar, mas não conseguimos e o resultado é uma derrota. Acho que o empate seria perfeitamente ajustado.»
 
[Sobre a primeira semana no Belenenses:] «Usualmente quando há uma troca de treinadores deve-se ao facto de os resultados não serem aqueles que a equipa esperava. Neste caso não foi assim. Tivemos cinco treinos, apenas. A minha ideia não era alterar o que estava a ser feito e bem. Tentei agarrar no que estava a ser feito. A receção foi boa. Senti-os vivos, com vontade de dar sequencia a uma época fantástica que esta malta tem feito.» Mais artigos:

Boavista vence Belenenses (1-0)

Brito foi o autor do golo da vitória do Boavista
- " O Boavista venceu, este domingo, o Belenenses por 1-0, num encontro da 25.ª jornada da Liga. Brito, aos 53 minutos, foi o autor do único golo da partida.

Com este resultado, os axadrezados sobem à 13.ª posição e os azuis, na estreia de Jorge Simão no comando técnico, ficam com o 7.º lugar em risco, já que o Paços de Ferreira tem os mesmos 36 pontos e joga, segunda-feira, frente ao V. Setúbal.

Boavista-Belenenses, 1-0 Sem Lito não funcionou.

Boavista-Belenenses, 1-0 (crónica)
- " Uma equipa cada vez mais estável, outra a abanar quando nada o parecia indicar. Choque de momentos e de estilos no Bessa. O Boavista venceu o Belenenses e está cada vez mais perto da manutenção. Sem Lito Vidigal, o castelo de Belém ruiu ao primeiro golpe. Um triunfo justo e por números certos.
 
O Boavista foi sempre a equipa mais perigosa em campo, mesmo que o seu futebol não tenha o recorte dos de azul. Muito mais rendilhado o jogos dos homens, esta tarde, comandados por Jorge Simão. Bem mais prático e eficaz o que fazem os guerreiros de Petit.
 
Eficaz no sentido de que valeu a vitória e não no matemático aproveitamento das oportunidades. Foram bem mais as dos axadrezados. Aliás, tirando uma arrancada de Nelson concluída com remate por cima, o Belenenses pouco mais fez com real perigo no primeiro tempo, por exemplo.

FICHA DE JOGO E AO MINUTO
 
Entrou mais afoito e mandão perante um Boavista com a agressividade nos limites. Em cinco minutos já havia dois amarelos e os axadrezados nem esboçavam protestos. Foram justos, no fundo. Talvez tática de intimidação, talvez nervosismo inicial. Afinal, este era o Clássico dos outros campeões. As únicas duas equipas fora dos grandes a vencer um título. Não era um jogo como os outros, no fundo, passem os anos que passarem.
 
Mas ao início duro, o Boavista soube dar sequência com a arma que mais interessa: futebol. Simples, de poucos toques. Mas perigoso, como já se disse.
 
O sinal mais evidente até foi um livre de Brito que Ventura susteve com dificuldade, no início de uma fase em que o guardião do Belenenses, recentemente chamado à seleção nacional, se revelou decisivo para manter o nulo. Pouco depois negou o golo a Idris, de cabeça, após canto, e de novo a Brito, que rematou à meia volta, num prenúncio para o golo que decidiria o jogo.
 
Tudo isto foi antes da meia hora e até ao intervalo apenas houve a registar a tal oportunidade de Nelson. O jogo, esse, continuou dividido.
 
E a segunda parte foi mais do mesmo, com a diferença do golo. Belenenses com mais bola mas sem furar a organização axadrezada. Boavista direto ao assunto e a marcar.
 
Uchebo arrancou pela direita e centrou para Brito que aguentou a carga do opositor e rematou à meia volta. A bola ainda bateu no poste e só parou no fundo da baliza de Brito.
 
Jorge Simão, que havia trocado Fábio Nunes por Dálcio ao intervalo, sem efeitos práticos, lançou Tiago Silva para o lugar de Carlos Martins. O Boavista abdicou de vez da bola, mas o Belenenses não teve vida mais facilitada por isso.
 
Pelo contrário. Dificuldades evidentes para penetrar na área axadrezada e ainda um ou outro contra-ataque de arrepiar a espinha aos adeptos lisboetas. Num deles, Brito ficou a centímetros de bisar, de cabeça.
 
Isto depois de Sturgeon ter desperdiçado a melhor ocasião da sua equipa para empatar, atirando contra a muralha uma bola que Mika defendeu para a frente. Estava na entrada da pequena área e deveria ter feito melhor.
 
Se não foi ali, dificilmente seria, percebeu-se. E o apito final de Carlos Xistra ditou precisamente essa sentença. No primeiro jogo sem Lito Vidigal, o Belenenses perde e pode ver o Paços de Ferreira fugir, no sexto lugar.
 
Para o Boavista a tarde foi de festa. Os 30 pontos, que devem dar manutenção, estão a uma vitória de distância. Mais artigos:

Belenenses bate CDUP com ensaio na bola de jogo

- " Azuis com apuramento sofrido
Houve emoção e incerteza até ao último segundo, em Guimarães, mas o Belenenses levou a melhor sobre o CDUP, por 26-21, e garantiu o 6.º lugar da Fase de Apuramento e a entrada nos quartos-de-final.

Depois de uma 1.ª parte de domínio do CDUP, que chegou ao intervalo a vencer por 16-6, a equipa de João Uva reagiu e, a 5’ do final, colocou-se pela primeira vez em vantagem (19-16). O que se seguiu foi impróprio para cardíacos: os nortenhos voltaram a passar para a frente no último minuto (21-19), mas os azuis conseguiram um novo ensaio na bola de jogo que garantiu o apuramento.

Assim, o Belenenses vai defrontar o Técnico, enquanto a Agronomia, que venceu a Académica com ponto de bónus, subiu ao 4.º lugar e vai jogar os quartos-de-final em casa, frente à equipa da Linha.

sábado, março 21, 2015

Carlos Martins: «Estamos com o treinador e com o presidente»

- " Martins garante motivação e união do grupo
Carlos Martins afirmou, este sábado, que a união e a ambição do grupo continuam intactas apesar da mudança de equipa técnica. O médio destacou que continua o "bom ambiente" num grupo que "quer aprender".

"Estamos com o treinador e com o presidente", disse depois de ter referido que os jogadores se devem abstrair destas situações [saída de Lito para entrada de Jorge Simão] que "são coisas que acontecem no futebol".

"O novo treinador veio com o intuito de fazer o melhor possível e foi muito bem recebido", frisou.

Questionado com o facto de perdido alguma influência com Lito, respondeu: "São opções que os jogadores têm de aceitar. Não vou dizer se concordo ou não. Estou num grupo fantástico e espero ser titular com o Boavista".

Carlos Martins mostrou "orgulho" por Ventura ter sido chamado à seleção e considerou que "é mais uma porta que fica aberta" a outros jogadores.

"Satisfeito" com a renovação do contrato porque "sempre houve empatia" manifestou a vontade de "retribuir essa confiança dentro e fora do campo".

«Vai ser um jogo com uma equipa historicamente complicada» - Carlos Martins

Carlos Martins
- " Um dia antes da deslocação ao Bessa, para o encontro com o Boavista na 26.ª jornada, Carlos Martins disse, em conferência de imprensa, que a equipa está bem e consciente da proximidade aos lugares europeus.

«A equipa está ciente do lugar que ocupa. Sabemos que vai ser um jogo complicado, com uma equipa historicamente muito complicada, mas que também nos galvaniza», referiu o jogador, acrescentando que o novo treinador, Jorge Simão, está à altura do desafio.

Quanto a um eventual mal-estar com Lito Vidigal nos últimos tempos e a perda de espaço na equipa, o médio disse respeitar as decisões do treinador e assumiu que espera voltar à titularidade o quanto antes.

Lito Vidigal nega providência cautelar

 - " Treinador recorreu às redes sociais para garantir que não vai agir judicialmente contra o Belenenses.
Lito Vidigal recorreu ao Facebook para negar a intenção de requerer uma providência cautelar contra o Belenenses.

"Nunca, em momento algum, pensei ou equacionei intentar uma providência cautelar ou qualquer outro meio judicial ou administrativo contra o Belenenses. Jamais o faria", escreveu.

"É completamente falso que seja representado por um advogado de nome Manuel Raimundo, pessoa que desconheço por completo", acrescentou ainda Lito Vidigal